Zipper Galeria - Exposição Periscópio

July 10, 2016

 

 

 

Periscópio

 

"A exposição apresenta obras de artistas que vêm se debruçando sobre as chamadas novas mídias e suas

tangentes a partir de diversas perspectivas e interesses.

A história da arte é permeada por períodos de transição relacionados aos avanços tecnológicos de cada

época. Em “O conhecimento Secreto”, David Hockney apresentou um corpo de habilidades desenvolvidas

por artistas a partir da evolução da tecnologia de manipulação do vidro, habilidades que modificaram

profundamente a pintura e as técnicas de representação. O vidro, na forma de espelhos e lentes,

possibilitou o surgimento das lentes – que, por sua vez, permitiram o aprimoramento de dispositivos como a

camera obscura, que já no século XIV introduzia os princípios da câmera fotográfica.

Posteriormente, a pintura impressionista foi impulsionada pelo desenvolvimento do tubo de tinta óleo, do

cavalete portátil e de novos tipos de pincéis, que permitiram aos artistas sair do ateliê e experimentar novas

técnicas. Naturalmente, se pensarmos na fotografia, no cinema, no rádio, na TV, no vídeo e outras mídias, é

inevitável encontrarmos estadios disruptivos similares que apontariam para uma história das técnicas e

tecnologias que, amplificando a capacidade sensória e analítica do corpo humano, vem modificando as

formas de interpretar e representar o nosso entorno.

O corpo de trabalhos e processos apresentados em "Periscópio" parte da premissa de que estamos

atravessando um destes períodos de transição estimulado pelas tecnologias digitais. A história demonstra

que estes intervalos raramente se manifestam como rupturas repentinas e bruscas – em geral, são fruto de

processos nos quais conhecimentos novos e antigos se mesclam, Neste sentido, nos estudos de

arqueologia da mídia estabeleceu-se a ideia de que toda nova mídia se molda como um decalque de

alguma ou diversas mídias precedentes, conquistando lentamente a sua autonomia técnica e discursiva.

Poderíamos pensar, a grosso modo, que a fotografia renova e expande a pintura, o cinema a fotografia e

assim por diante. Também cabe lembrar que novos repertórios técnicos e tecnológicos são uma fração do

conhecimento que espelha o espírito de uma época, na qual necessariamente a linguagem – seja ela

falada, escrita ou imagética – é parte fundamental do contexto. Vamos sendo alfabetizados culturalmente no

percurso da história, assimilando continuamente repertórios que mediam nossa relação no mundo e que

decantam com o passo do tempo. Um claro exemplo disso é a grande transformação das formas de ver e

representar instaurada pela descoberta da perspectiva por Brunelleschi no século XV – técnica que se

manteve hegemônica durante séculos até o aparecimento do cubismo. Este movimento, por sua vez, foi

contemporâneo às descobertas da física que embalam a teoria da relatividade.

Quando falamos em "novas mídias e suas tangentes" fazemos menção a esta trama complexa onde tempo,

espaço e conhecimento se entrelaçam. Nem todos os trabalhos presentes na exposição têm matriz

estritamente digital, mas se constroem ou discursam de alguma maneira sob a ótica da crescente

digitalização da vida. Da manipulação de bactérias a um engenho que permite controlar uma labareda de

fogo com o pensamento, de reconstruções paramétricas do cristo redentor a partir de imagens encontradas

na internet à deformação digital de um corpo real, "Periscópio" traz vídeos, esculturas, instalações e

imagens em que ideias como bio arte, hacking, robótica e ferramentas como interatividade, feedback, bases

de dados relacionais e algoritmos e tecnologias como impressoras e scanners 3d, cortadoras a laser e

sensores, introduzem vocabulários e alimentam novos imaginários. Novas mídias modificam e expandam

corpórea, semântica e gramaticalmente a linguagem em todas as suas dimensões. Em analogia ao artefato

que expande o campo de visão para além do óbvio, "Periscópio" aposta em heterotopias a partir das quais

possamos especular livremente sobre o passado, presente e futuro da arte."

 

Fernando Velázquez

 

Artistas

Anaisa Franco, Andy Lomas, Andrei Thomaz, Astrovandalistas, Bruno Vianna, Gabriel Menotti, Giselle

Beiguelman, Guto Nóbrega, Fábia Karklin, Felipe Julian, Flora Leite e Maura Grimaldi, Henrique Roscoe,

Herbert Baioco, Jaime Lobato, Julio Parente, Leandro Mendes (Vigas), Lucas Bambozzi, Marcio H Mota,

Matheus Leston, Mike Pelletier, Nurit Bar-Shai, Ricardo Carioba, Richard Garet, Roberta Carvalho e Simon

Fernandes.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

IDEA FIXA

November 9, 2016

1/4
Please reload

Posts Recentes

November 9, 2016

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2019 Roberta Carvalho